sábado, 31 de agosto de 2013

Eu mereço?

Eu mereço comer doces, comprar coisas, deixar de fazer o que me faz bem para descansar. Mas isso são coisas ruins, pq eu acho que mereço coisas ruins como recompensa?

Pq acho que mereço me envenenar com doces? Me satisfazes com algo fulgaz como uma compra?

Será que o que vejo no consciente como recompensa no inconsciente é castigo? Acho que mereço coisas ruins pq não sou boa?

Será que me achar feia, chata, anti social, fraca timida desleixada porca procastinar  incompetente preguiçosa lerda covarde invejosa magra peluda branca descabelada incostante depressiva suicidia e todas as outras coisas ruins que penso de mim fazem com que eu queira me torturar e me castigar?

Como se reverte isso? Será que me cuidar como esperam fazendo depilação unha maquiagem usando roupas desconfortáveis saltos vertiginosos e fazer tudo isso com sorriso no rosto e feliz da vida pq é me cuidar é me amar na verdade não são torturar que aceito por não me achar suficientemente boa, bonita, perfeita.

Será que ser mulher me faz me sentir culpada pelos meus ciclos pelo meu sangue e por isso aceito pílulas, hormônios? Aceito que tirem de mim minha força e me sinto merecedora do que me faz mal.

Me torturo me anulo me perco me entrego a quem não me ama e acho que estou me cuidando, me amando. Me castigo porque não sou como deveria ser. Me culpo seja fêmea do meu peito. Mato minha alma dia após dia porque ela me envergonha.

Minha força esmagada por todas as regras disfarçada de escolhas. Peito dilacerado pela proibição de ser quem sou.

Minha pele te enoja, meus pelos te envergonham. Fluídos, gases, odores! Sou mulher, estou viva! Eu como e arroto. Suo. Mijo. Cago. Peido. Sim! Eu estou viva! Minha alma ruge no meu peito. Você não vai me silenciar.

Eu não mereço nada menos do que ser eu mesma e estar viva. Com todos os odores e fluídos que isso representa.

Dispenso suas torturar disfarçadas de feminices. Dispenso o salto, a pintura, a perfumaria. Dispenso pílulas, hormônios. Quero meu sangue fluindo do meu ventre. Quero leite jorrando dos meus seios. Quero a vida gerada no meu ventre, no coração e na minha alma.

É! EU GERO VIDA! Filhos, ideias, sonhos, projetos...

Sou mulher e não vou mais me castigar pela minha força. Pela minha perfeição cheia de falhas. Pelo meu corpo único. Minha beleza que é só minha. Não vou mais me desculpar pelos meus pelos ou odores. A vida cheira com ousadia. Seus castigos não me pertencem, são seus!
Não vou mais implorar perdão por gerar vida, por enfeitas o mundo. Por querer liberdade. Por querer ser inteira. POR SER!

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

Auto-observação

Do Pinterest. @Silvia Iaconisi 



Um hábito que aprendi e tem feito muita diferença a longo prazo é o da auto-observação.Ele é tão simples que acabamos ignorando o seu valor.

Foi esse hábito que me trouxe melhorias significativas nas áreas mais diversas: maternidade, alimentação, saúde... E melhorou muito minha consciência no geral: corporal, mental, emocional, alimentar!

Um bom exemplo foi o bruxismo/briquismo. Eu tinha muitas dores por manter o maxilar tensionado a maior parte do tempo. Acordava com dores de cabeça e na face porque dormindo era ainda pior. Foi em uma aula de ioga que a instrutora chamou a atenção para essa área durante o relaxamento e pela primeiro vez, de forma consciente, relaxei o maxilar.

Depois disso, foi a observação, sempre que eu me lembrava, iniciava o processo: parava, observava meu maxilar e o relaxava.
Os primeiros efeitos vieram durante o dia, e depois de intensificar a observação diária, a noite o problema diminuiu drásticamente.

Como praticar
Sempre que estiver de bobeira leve a atenção para o corpo. Observe apenas, tente não alterar nada, só sentir como está tudo. Chame a atenção a cada parte do corpo.
Como seus dedos do pé estão? Algum incômodo neles? E vá indo de área a área. Você pode começar por partes maiores (pé, perna, área genital, braços, mãos, pescoço e cabeça) e conforme a prática ir detalhando mais.

Depois de observar o corpo, passe para os pensamentos. Até que se acalmem um pouco.

E por fim, aos sentimentos. Você se sente bem? Algum sentimento confuso? De onde ele vem?

Basicamente é isso, mas você pode estender para tudo. Alguns exemplos:

- Observar-se enquanto trabalha. Como fica sua postura? O que você pensa? Como se sente?

- Durante as refeições. As mesmas perguntas anteriores e também como meu corpo reage a determinado alimento. Coma prestando atenção, pense no caminho que a comida está fazendo.  e espere alguns minutos para sentir os efeitos.

- quando está bravo
- com sono, com fome, cansado, estressado
- conversando com alguém
- lendo esse post ;-) é. Como você está agora?
- ouvindo música
- Apreciando arte
- fazendo sexo

As possibilidades são infinitas! Observe-se e conheça a si mesmo!
Depois disso fica mais fácil mudar algo que não goste (ou menos difícil). 


Ferramenta poderosa para pessoas como nós acostumadas ão piloto automático em tudo.

Tão simples que você nem se interessou né?

PS: Esse post estava escrito faz um tempo e semana passada recebi esse link de uma amiga eutonista. Um programa da CBN com uma entrevista sobre Eutonia. Fez tanto sentido para mim! http://cbn.globoradio.globo.com/programas/caminhos-alternativos/2013/08/17/EUTONIA-A-CURA-DO-CORPO-E-DA-CONSCIENCIA.htm

domingo, 18 de agosto de 2013

Em germinação... (e Projeto BomDia!)

Benjamin aprendendo a observar as reais belezas.
Eu não estou fluindo, e hoje isso não está exatamente ruim. Sinto como uma parte do ciclo.

Eu ainda estou em "germinação" como falei no post anterior. Mas aceitar essa fase ajudou bastante no controle da minha irritação e não me sinto tão estressada.

O fato é que tenho passado por um momento delicado e me fingir de forte ignorando as dificuldades não ajudou.

Faz pouco mais de 2 meses que me mudei com filhote humano e um casal de gatos para outra cidade. Marido ficou pelo trabalho e vem quando dá. A casa é enorme (da família) e já tinha uma cachorra. Então estou cuidando de todos esses seres e acumulei as tarefas que eram do meu marido. Além da minha empresa que tento fazer virar.

Esse panorama foi todo escolha minha. E não me arrependo, mas isso não quer dizer que seja fácil. Está muito difícil! E decidi aceitar as dificuldades, assumi-las, chora-las até.

Estou também buscando formas de me organizar melhor aqui e aliviar minha carga. Foi complicado confessar para mim mesma que eu não dava conta. Feito isso, estou na parte prática: 

  • O que posso delegar? 
  • O que posso eliminar? 
  • O que é essencial para todos? 
  • Qual o mínimo para minha sanidade?

Aceitar a fase difícil e que estou em adaptação foi essencial para conseguir ter mais equilíbrio, então me pergunto até que ponto essa corrida pela felicidade (ou estar bem) é realmente necessária?

Quanto ao Projeto BomDia, sigo tentando, como podem acompanhar aqui. Porém meu filho está passado por uma fase difícil também (dentes!) e decidi não me estressar quando não conseguir levantar. Vou seguir no projeto até completar 30 dias e pensar em conseguir 30 dias levantando cedo antes de passar para o próximo projeto.

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

A ditadura da felicidade

Do Pinterest. @GorrGam Wirabutra

Hoje olhei meus pensamentos. Encarei no fundo dos olhos dos meus sentimentos. E questionei:

de onde vem tanta irritação? o que tem atrapalhado tanto os meus dias? por que tenho visto tudo sem cor? o que me tira a paz?
A resposta me assustou.

Não eram as perguntas que me atrapalhavam, não era a sensação de estar perdida que me irritava. Não era.

O que me deixava mal era a necessidade e a cobrança de me sentir bem. Se é que mais alguém consegue ver sentido nesse frase.

Mas por que eu preciso estar sempre bem? Feliz? Super animada com a vida e satisfeita sempre?

Porque algum dia eu acreditei que esse padrão devia existir em mim. Assim como já acreditei que eu devia ser extrovertida, ter fala fácil e fazer amigos como quem abre um livro.

Hoje vi o quanto essa auto-exigência me fez mal. E mesmo já lendo vários textos sobre isso há tempos, foi hoje que a ficha, de fato, caiu.

Não estou dizendo que devamos aceitar a tristeza e a introspecção crônica (ou talvez, devamos. quem sou eu para dizer que não também?).

Mas eu sou mulher. Sou fêmea. E como tal, vivo em fases, em um ritmo próprio e hoje, agora, eu preciso disso. Preciso! Assim como acredito que um organismo precisa de uma febre para melhorar. Como as flores precisam do inverno para florescerem na primavera.

Tentei fugir desse ciclo, e o que aconteceu foi que fiquei ainda mais perdida. Forçava ficar bem e conseguia por alguns instantes, mas logo caia. Uma montanha russa que eu criei, por medo de aceitar a melancolia, a introspecção.

A verdade é que nem nome sei dar para esses sentimentos. Mas tudo bem, porque agora vou aceitá-los, observá-los e ai, vou conhecê-los, nomeá-los (se achar necessário) e descobrir o que me trazem de aprendizagem, o que querem me mostrar.

Oficialmente em período de hibernação. Silêncios e suspiros longos  me esperam.

sábado, 3 de agosto de 2013

Projeto Bom Dia!

1ª foto (do 3º dia). A neblina me inspira!


Vou transformar meu objetivo de agosto no projeto BomDia! Isso vai me ajudar a focar ainda mais nele e me esforçar o máximo para alcançar o objetivo.

Minha meta é conseguir acordar às 6 horas da manhã TODOS OS DIAS. Sim, domingos e feriados também. Com uma tolerância de 30 minutos nos dias que eu for dormir mais tarde ou dormir mal.   

Pode parecer bobo tratar como um projeto assim, mas demonstra a relevância disso na minha vida. (principalmente para mim mesma, essa é a ideia!)

Por que acordar mais cedo?

Como falei no post anterior, estava andando desanimada, negativa e extremamente cansada. Sem saber o que fazer ou por onde começar para melhorar. Mas no dia 1º acordei cedo por necessidade e vi o quanto me senti melhor. Mais disposição, mais ânimo, mais gratidão!

Como vai funcionar?

O BomDia! vai ser esse álbum de fotos no meu perfil no Facebook com uma foto que tirarei a cada manhã, contando se consegui ou não cumprir a meta naquele dia.

O projeto terá duração de 30 dias. 


Vamos também?
Quem quiser me acompanhar está convidado!
Só deixar seu álbum de fotos nos comentários e incluo ele nesse post.

Esse projeto foi inspirado nas dicas e métodos do Leo Babauta. Recomendo muito seu site, um de seus ebooks e o livro que estou lendo dele (dica de uma querida, beijo, Lu) . 

Ps: eu sou publicitária/designer e deu uma vontade enorme de criar uma identidade visual  para o projeto. Sei que isso ajudaria na minha valorização do projeto. Mas sei também que é um gasto de energia e tempo desnecessário para esse projeto específico. Quanto mais simples ficar o processo melhor. (Foco, Roberta!)

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Voltando a acordar cedo

Decidi retornar um compromisso que deixei de lado: acordar bem cedinho

Hoje consegui acordar mais cedo e antes do meu filho. Tive uns minutos só para mim, fiz a higiene matinal com calma, fiz alongamentos e meditei. Ainda deu tempo para tomar um chá quentinho lendo um artigo. E adorei isso!

Fiquei mais disposta o resto do dia, me senti mais disponível para o meu filho, e mesmo dedicando um tempo pra mim consegui agilizar umas coisas da casa e alimentar a bicharada.

Há alguns dias (ou semanas? ou meses? =/) eu estava me sentindo mal, não conseguindo cuidar de nada nem ninguém direito. Irritada, não aproveitando as coisas boas que tenho, só vendo o lado ruim de tudo. 
Não sabia por onde começar a melhorar as coisas, já tinha tentando de várias formas e só piorava. Até que acordei cedo e vi que isso mudava tudo! E é uma coisa simples de implementar.

Para conseguir ânimo para levantar da cama nesse frio, vou me concentrar nos benefícios, que para mim são:

- mais disposição durante o dia.
- tempo exclusivo para mim.
- respirar o ar da manhã que é delicioso!
- ver a cidade envolta em neblina.
- Poder fazer as coisas com calma e foco (impossível isso com um filho de 22 meses acordado!)
- Mais tempo para investir em tudo que quero.


Meu único receio são os dias que meu filho acabar acordando comigo, porque ai meus planos vão por água abaixo e vou ficar frustrada. Como resolver isso?

Ideia para solucionar isso: explicar antes o quanto esse horário é importante para mim e pedir que ele respeite.